Fiocruz analisa ovo de mosquito Aedes Aegypti para saber eficácia de inseticida

TV Jurerê
09:30:AM - 29/Nov/2017
Fiocruz analisa ovo de mosquito Aedes Aegypti para saber eficácia de inseticida
Arquivo/Agência Brasil

Técnicos estudam ovos do mosquito causador da dengue para avaliar efeito de inseticidas

29/11/2017 | 09h30

Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) estão analisando ovos do mosquito Aedes Aegypti dos primeiros municípios que fizeram a coleta para o estudo que vai avaliar a eficácia dos inseticidas utilizados no combate ao vetor.

As amostras serão colhidas até março próximo em 145 municípios do país, incluindo as capitais. Ao todo, serão espalhadas nessas localidades 20 mil armadilhas para coleta. A escolha das cidades levou em conta o interesse do Ministério da Saúde em ter informações que representem a situação em todo o Brasil.

“O ministério queria como se fosse uma fotografia do Brasil em relação à resistência aos dois inseticidas que estão sendo usados, que é o Malathion, para uso em mosquitos adultos, e o Pyriproxyfen, para o controle de larvas. Essa distribuição foi meio geográfica porque o ministério queria fazer uma cobertura do país”, disse à Agência Brasil o chefe do Laboratório de Fisiologia e Controle de Artrópodes Vetores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC), José Bento Pereira Lima. Ele está à frente do estudo.

Na fase de análises, a pesquisa conta com a parceria do Laboratório de Entomologia Aplicada da Superintendência de Controle de Endemias (Sucen), da Secretaria de Saúde de São Paulo. Segundo o pesquisador, as primeiras avaliações são do material coletado nas cidades que iniciaram o trabalho em agosto. Levando em conta as condições climáticas, os municípios do Nordeste preferiram fazer a coleta dos vetores em março.

Tempo de coleta pode variar
“Dependendo da região do país, o próprio município decidiu o período de coleta que vai variar de agosto, que já foi feita em alguns lugares, a março de 2018. A gente tem essa fase toda de coleta porque o Nordeste prefere coletar em um período que tem mais densidade, diferente do Norte, que é diferente do Sul. Em uma reunião com os estados e municípios, eles decidiram o melhor período para fazer a coleta”, explicou.

José Bento informou, também, que o estudo partiu de uma solicitação do Ministério da Saúde para observar se há resistências aos inseticidas utilizados no combate ao mosquito. “O Ministério tem essa preocupação hoje de se precaver disso, até para ver qual é o estado dos inseticidas que estão sendo usados”, ponderou.

De acordo com o chefe do Laboratório do IOC, a cada quatro anos o Ministério da Saúde realiza a troca dos tipos de inseticidas para evitar a resistência do Aedes aegypti. A intenção é tornar mais frequentes as análises de manutenção da eficácia dos produtos.

O pesquisador acrescentou que, no passado, isso não era feito e foi detectado que várias populações do mosquito estavam resistentes aos produtos que vinham sendo utilizados por períodos mais longos de até 30 anos.

“Uma coisa que o ministério vem pensando é fazer [pesquisa], não com esta proporção toda, mas em pelo menos pontos estratégicos como as capitais e outras cidades, para se manter essa avaliação continuamente. Isso é importante para saber em caso de troca do inseticida se aquelas populações de mosquitos são sensíveis ao inseticida que vai usar e seja eficiente”, destacou.

Conclusão do estudo fica pronto até setembro
O relatório com as conclusões do estudo, que tem cláusula de confidencialidade, só deve ficar pronto entre agosto e setembro de 2018, quando será encaminhado ao Ministério da Saúde.

“De posse do resultado, ele tem suporte para tomar decisões, se permanece com o inseticida ou se faz a troca”, disse, afirmando ainda que os dados serão repassados para o ministério que vai divulgar o resultado no momento oportuno, como ocorreu [esta semana] com o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti.

A metodologia empregada é a preconizada pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Os agentes de endemias que fazem a coleta passaram por um treinamento que incluiu um vídeo produzido pelo IOC, com explicações de como deve ser feita a instalação das armadilhas, o armazenamento das amostras e envio do material para o laboratório.

“Fizemos também uma cartilha para este treinamento. Isso foi enviado para todos os municípios. Remetemos também as armadilhas e as palhetas, todo o material necessário para fazer a coleta”, disse.

O pesquisador alertou que a principal medida de controle do Aedes Aegypti é a eliminação dos criadouros em locais onde o mosquito deposita os ovos. Os inseticidas são recomendados como estratégia complementar, em situações específicas. José Bento completou que o uso indiscriminado inviabiliza a eficácia do uso desses produtos.

Fonte: Agência Brasil