Pensando em 2018, PT torce por decisão sobre Lula até abril

TV Jurerê
12:45:PM - 08/Sep/2017
Pensando em 2018, PT torce por decisão sobre Lula até abril
Bruno Santos/Folhapress

Ex-presidente Lula no final da caravana pelo Nordeste

08/09/2017 | 12h45

Considerando a batalha jurídica para evitar a inelegibilidade de Luiz Inácio Lula da Silva virtualmente perdida, o PT agora torce para que a decisão sobre o caso ocorra no máximo até abril.

Mesmo com a significativa piora da situação política de Lula após o depoimento arrasador de Antonio Palocci à Justiça, a lógica petista é a de insistir publicamente na candidatura do ex-presidente ao Planalto em 2018.

Enquanto isso, o partido prepara o caminho para um outro nome –hoje, o mais cotado é Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo.

Lula foi condenado pelo juiz Sergio Moro na primeira instância da Justiça Federal por corrupção e lavagem de dinheiro, no processo referente ao tríplex do Guarujá.

O caso será agora julgado em segunda instância pelo TRF (Tribunal Regional Federal) de Porto Alegre e, se confirmada a sentença, Lula se torna ficha suja por ter sido condenado por colegiado –e, se a pena não for alterada, poderá ir para a cadeia.

Segundo advogados do petista, o andamento processual até aqui permite prever um julgamento entre meados de março e começo de abril.

O "timing", para o PT, seria suficiente para estruturar a campanha de Haddad –ou, como sugerem alguns petistas, de outro moderado mais experiente e não paulista, como Jaques Wagner (BA).

O novo candidato seria ungido por um Lula condenado, amparado no discurso de que o líder é vítima de perseguição política que ainda ressoa entre eleitores do partido.

Reservadamente, segundo a Folha apurou, líderes petistas temem que o julgamento ocorra mais perto da convenção que irá definir a candidatura, no fim de julho.

Assim, ficaria mais difícil a nacionalização do novo nome. A meta é menos a vitória e mais a competitividade que mantenha o partido em evidência no cenário político.

Até lá, de todo modo, Lula permanecerá no palanque em campanha antecipada –segundo a legislação eleitoral, a campanha só pode começar em 16 de agosto.

O PT considera que ele será, de qualquer modo, candidato no ano que vem. Seja em pessoa ou por procuração.

Além disso, manter-se em evidência auxilia sua estratégia de defesa, já que aumenta a responsabilidade da decisão dos desembargadores.

Com 30% das intenções de voto, Lula lidera os levantamentos disponíveis. Se houver uma reviravolta jurídica, naturalmente ele será o candidato, apesar do desgaste.

Mas o PT acredita que um candidato centrista como Haddad poderia atrair parte da classe média que Lula perdeu ao longo dos anos.

O raciocínio desconsidera, contudo, que esses 30% são lulistas, mas não necessariamente petistas. O ex-presidente tem grande penetração em eleitorado pobre e conservador, que pode ser atraído por candidatos de outras faixas do espectro político.

Enquanto lida com a contínua erosão de sua imagem pública pela Operação Lava Jato, Lula segue costurando a estratégia para 2018.

Além de tentar atrair o pedaço à esquerda que se desprender do desmonte do PSB, o partido busca nomes chamativos em suas hostes para concorrer ao Congresso.

O PT não crê que possa manter seus 58 deputados, mas aposta numa bancada de pelo menos 40 nomes para manter influência e acesso a verbas do Fundo Partidário. 

Fonte: Folha de SP