Sucessora de Janot diz que encontrou Temer às 22h para discutir posse

TV Jurerê
10:00:AM - 09/Aug/2017
Sucessora de Janot diz que encontrou Temer às 22h para discutir posse
Pedro Ladeira/Folhapress

Raquel Dodge, que irá substituir Rodrigo Janot na chefia da Procuradoria-Geral da República

09/08/2017 | 10h00

Raquel Dodge, que assumirá o comando da Procuradoria-Geral da República, esteve no Palácio do Jaburu na noite de terça (8), segundo imagem registrada por cinegrafista

A subprocuradora da República Raquel Dodge, sucessora de Rodrigo Janot no comando da PGR (Procuradoria-Geral da República), afirmou à Folha que se reuniu com o presidente Michel Temer na noite de terça (8) para discutir a agenda de sua posse no cargo, em setembro.

"O presidente indagava sobre a data e horário possível para a minha posse, pois precisa viajar para os Estados Unidos no dia 18 de setembro, segunda, para fazer a abertura da Assembleia Geral da ONU no dia 19. O mandato do PGR termina no dia 17, domingo", disse Dodge.
"Por esta razão, a posse será de manhã, em vez do final da tarde"
, afirmou.

Dodge esteve no Palácio do Jaburu por volta das 22h de terça, segundo imagens registradas por um cinegrafista da TV Globo.

O encontro não constava da agenda oficial de Temer. O Palácio do Planalto confirmou a informação de Dodge sobre o motivo da conversa.

O encontro de Temer com Dodge ocorreu no mesmo dia em que a defesa do presidente entrou com pedido no STF (Supremo Tribunal Federal) de suspeição de Janot nas investigações. Os advogados do peemedebista alegam que o procurador-geral atua para perseguir pessoalmente o presidente. O procurador-geral não comentou o assunto.

A Folha questionou o Planalto sobre a razão de o encontro ocorrer fora da agenda oficial. Ele afirmou que ambos combinaram a reunião em cima da hora, por telefone, naquela mesma noite.

Dodge foi indicada por Temer para assumir o cargo de procuradora-geral da República. Seu nome foi aprovado pelo Senado. Ela foi a segunda colocada na lista tríplice em eleição realizada pela ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República).

Caberá a Dodge comandar todo o trabalho da PGR, incluindo as investigações da Lava Jato.

O presidente Temer foi denunciado por Janot por corrupção passiva, sob acusação de ser o beneficiário de uma mala de R$ 500 mil da JBS entregue a seu ex-assessor Rodrigo da Rocha Loures. A Câmara barrou o andamento da denúncia na semana passada.

O peemedebista é alvo de mais duas investigações na PGR: uma por obstrução de Justiça e outra por organização criminosa. A expectativa é que ele seja denunciado até o fim do mandato de Janot.

No domingo (6), Temer recebeu, também fora da agenda oficial, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes.

O escândalo da JBS tem como ponto central um encontro de Temer com Joesley Batista, delator e sócio da JBS, no dia 7 de março no Jaburu. A conversa ocorrida no fim da noite daquele dia não foi divulgada na agenda oficial do presidente. 

Fonte: Folha de SP